Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

 

 

Esta, sou eu. Sem pinturas nem disfarces. Sem photoshop nem retoques. Estou velha. Uso óculos, o pescoço enruga-se maliciosamente, o formato do rosto altera-se, o queixo está uma lástima, às vezes acordo com uma mão dormente e já não consigo fazer o pino. Quando pratico Ioga - e não só - as articulações rangem e, por vezes, vejo-me aflita para voltar a uma posição "normal". Continuo a gostar de tudo o que me tem alimentado ao longo da vida: os afectos, as artes, a literatura, as viagens, as mudanças (para melhor).

Só me vai faltando a paciência, cada vez mais. Porque é difícil classificar o grau de estupidez de governantes que decidem – por incompetência, preguiça e outras incapacidades – cortar, diminuir os vencimentos de reformados e pensionistas. São obviamente medidas que só trazem desvantagens a um País, a um Estado. É verdade que o número de pessoas de idade aumenta, o que não é de admirar. Cada vez existem mais meios para prolongar a vida – as farmacêuticas, os construtores e inventores de material hospitalar agradecem e os milhões de milhões que são destinados à investigação comprovam, sem sombra de dúvida, que os seres humanos escolhem, inteligentemente, fazer mais e melhor por eles próprios e pelos seus semelhantes, para que gozem uma existência longa, de qualidade e feliz, nesta Terra. Nos países ditos "civilizados" a idade, para além de um repositório de experiência e de sabedoria, é uma mais valia e gera riqueza. Existem inúmeros sectores económicos que podem beneficiar exponencialmente com os reformados que possuem uma certa qualidade de vida: têm mais tempo para gastar, para fazer uma infinidade de coisas que não puderam fazer enquanto cumpriam horários e se ocupavam da sua vida profissional. Há tempo para viajar, para fazer turismo, para ensinar os outros, para fazer voluntariado, para ajudar quem precisa, para frequentar inúmeros cursos e actividades, para gastar dinheiro sem culpa - mais ou menos, de acordo com as possibilidades - enfim, para tirar partido de um sem-número de oportunidades que lhes passaram ao lado, enquanto jovens e de meia-idade. Se as pessoas trabalharam e descontaram para o Estado e se preparam para a segunda parte activa das suas vidas, qual a intenção de lhes colocar barreiras, de elevar muros cinzentos à sua frente? Quem ganha com isso? Ninguém. A quem interessa um País, uma comunidade, em que as pessoas de idade são marginalizadas e maltratadas? Um País em que os mais velhos vivem da caridadezinha ou têm de se privar de uma quantidade de coisas porque aquilo com que contavam lhes foi retirado à má fila?

Tenho especial horror e desprezo por quem trata as pessoas de mais idade como se fossem uns trastes, uns empecilhos, um peso.    Começamos a envelhecer no dia em que nascemos. Este nosso "invólucro mortal" como lhe chamou o grande senhor Shakespeare está em mutação desde sempre e principalmente quando soltamos o primeiro grito, quando inspiramos, pela primeira vez. Enquanto andamos por este mundo, a matéria de que somos feitas(os) move-se e remove-se em constante turbulência. No nosso corpo tudo está sempre a mexer-se a dividir-se, a multiplicar-se, a somar e a subtrair. Há torrentes, enxurradas, caudais, lagos e mares, montanhas e vales, tempestades, tsunamis, avalanches, florescimentos e aniquilações. O processo acumulativo de alterações de estruturas moleculares e celulares não pára. Por isso, tenham muito cuidado connosco. Andamos nisto há muito. Somos fortes e damos luta. Aprendemos com o tempo. Não nos tramem porque ganham mais connosco do que sem nós. Tenho dito!

Nota: tenho particular aversão por quem utiliza, com as pessoas de idade, inúmeros diminutivos, do género: coitadinho do velhinho que vai comer uma sopinha e dormir uma sestinha e antes vai fazer um xixizinho por causa da bexiguinha, etc, etc, etc…!!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Ermelinda a 05.08.2013 às 20:19

Óptimo o seu texto. É tudo quanto penso. Mas apague o "estou velha", porque destoa do seu dinamismo e da foto que colocou. Pessoalmente não gosto de ouvir essa expressão a ninguém, porque "velhos são os trapos" e estranho-a em si, tão jovial, dinâmica e inteligente. A sério.

Imagem de perfil

De Oldfox a 06.08.2013 às 11:47

Obrigada Ermelinda. Para mim, "velha" não é depreciativo. É uma constatação, um facto. Serei muita coisa - dinâmica, etc. - mas sou, também, já, velha. Tenho sorte. Um grande beijo. Helena
Sem imagem de perfil

De Ermelinda a 06.08.2013 às 16:47

Pois, ser velho em certas culturas é sinal de sabedoria e implica respeito. Nesse sentido tem razão. Em Moçambique e Angola, ainda hoje, "o mais velho" é expressão usada para mostrar respeito e consideração. Sei que sabe disso por conhecimento próprio. Cá, não é bem assim, infelizmente.
Uma boa tarde para si.
Imagem de perfil

De Oldfox a 07.08.2013 às 01:00

Muito obrigada Ermelinda. Sim, em Moçambique, onde cresci -grande sorte, a minha- os mais velhos eram (são) respeitados e acarinhados. Um grande abraço.
Sem imagem de perfil

De Maria Julieta Sendas a 05.08.2013 às 20:47

Pessoas como tu fazem-me sentir bastante melhor! Agora que sou velha, vem-me ao pensamento os antigos sonhos de viajar que pensava realizar depois da minha reforma, quando o filho estivesse já criado e a seguir a vida dele.....
Não perdoo a quem torna esses sonhos impossíveis e até um pouco ridículos dadas as malfadadas circunstâncias... E tudo por nada, porque lhes apetece, porque têm sede do poder, porque querem rebolar-se nos seus milhões... Não, não perdoo a estes senhores, grandes na ignorância e na estupidez com que tratam tudo o que tenha a ver com humanismo e cultura.
Imagem de perfil

De Oldfox a 06.08.2013 às 11:50

Querida Julieta, tens toda a razão. É imperdoável e espero que, um dia, sejam convenientemente castigados. Há que repor alguma justiça nesta terra, já que um mundo perfeito é impossível. Muitos beijos e obrigada pelo teu comentário. Helena
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.08.2013 às 15:14

TENHO UMA RUGA NOVA!!! Que maravilha!!! Por debaixo do lábio inferior, do lado esquerdo da boca. Uma ruga na vertical e sulcada. Deve medir 1 cm, talvez!

"Apareceu-me" de um dia para o outro. Ou então, fui eu que só dei por ela ontem. Mas não! Acho que se desenhou ontem mesmo.

YESSSSSS !!!

Cristina Carvalho

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor





Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D